Financie um carro sem surpresas com esses alertas

Financie um carro sem surpresas com esses alertas

Financie um carro sem surpresas com esses alertas

Chegou a hora de se encontrar com o seu carro novo. Escolha feita, test drive satisfatório e ficha cadastral aprovada. Chega a hora de acertar os detalhes financeiros – e aí está o momento de maior atenção do negócio. Fechar um acordo de financiamento é uma decisão importante, por isso separamos alguns pontos que não podem escapar do seu critério antes de assinar o contrato.

1. Conheça o real custo do financiamento
Esteja atento ao custo efetivo total da operação, o chamado CET. A sigla representa as despesas totais do parcelamento sob a forma de uma taxa anual que abarca tarifas, juros, seguro, IOF e outros encargos, como serviço de despachante e gravame eletrônico (registro no Detran de que o carro foi financiado).

2. Adeque o preço final com o seu orçamento
É importante lembrar que o custo total do carro cresce – e muito – à medida que aumentam as folhas no carnê de prestações. Uma simulação virtual demonstra que a partir de uma entrada de 20%, um carro de R$ 30 mil dividido em 24 vezes sairá por R$ 38.445 com parcelas mensais de R$ 1.351. Se o prazo subir para 48 meses, por exemplo, as parcelas caem para R$ 877. Por sua vez, o custo do automóvel chega a R$ 48.129, encarecimento de 60% em relação ao preço à vista.

3. Pesquise as taxas do mercado
O ideal é pesquisar as condições de financiamento em todos os locais possíveis. Com diferentes CETs em mãos, você aumenta seu poder de barganha e pode fechar um negócio mais em conta, seja no banco do qual já é correntista ou em qualquer outra instituição financeira. O lado bom dessa dica é que, contando com a Autosimples!, o seu financiamento será, naturalmente, resultado da melhor negociação. Nós fazemos todo esse trabalho para você!

4. Lembre-se que um carro tem outros custos
Além do custo do financiamento, vale reforçar que um carro necessariamente exigirá outros gastos ao longo do tempo. IPVA, seguro, licenciamento, combustível e manutenção são alguns deles.

5. Se necessário, renegocie a dívida
Se você estiver prestes a engrossar a lista dos inadimplentes, não se desespere. Ignorar os avisos de cobrança tampouco tornará o problema menor. Assim que perceber que o orçamento não comporta mais nenhum pagamento, tente renegociar a dívida no banco, esticando os prazos e diminuindo o valor das parcelas. Outra opção é tentar passar o carro adiante, vendendo o veículo – e a dívida – para outro comprador.

Sobre nós